Pular para o conteúdo principal

Com o novo C3, Citroën registra crescimento de 66% nas vendas em setembro

Sandro Souza | 07/10/2022 | 11:20h


Em seu primeiro mês de lançamento, Novo Citroën C3 emplacou mais de 1.600 unidades
Marca francesa foi na contramão do mercado e alcançou market share de 2,2%
SUV C4 Cactus está entre os quatro SUVs compactos com maior crescimento no segmento


A Citroën encerrou o mês de setembro celebrando importantes índices, impulsionados principalmente pelo lançamento do Novo C3. A marca segue em trajetória ascendente no volume de vendas e na participação de mercado no acumulado do ano e em comparação com agosto.

Em setembro, enquanto a indústria no geral registrou uma queda de 7% no volume de veículos emplacados em comparação com o mês anterior (181.592 x 195.030), a Citroën emplacou o total de 3.953 veículos, um crescimento de 66% com relação ao mês anterior, com market share de 2,2%. Desse volume total, 41% correspondem às vendas do Novo C3, com 1.604 unidades vendidas. Mesmo com os primeiros emplacamentos ocorrendo somente na segunda quinzena do mês, o único hatch com atitude SUV do mercado já conquistou 4% do segmento.

Ainda nas comparações entre setembro e agosto, o C4 Cactus também se destacou, com um crescimento de 7% no volume (2.118 x 1.983), fechando o mês com market share de 1,2%. No segmento de VULs (Veículos Utilitários Leves), a Citroën fechou setembro com 231 unidades emplacadas, mantendo-se em linha com o volume médio do terceiro trimestre.

Comparativo 2022 x 2021

Entre os acumulados dos anos de 2022 e 2021 até o momento, a Citroën também seguiu na contramão do mercado. No comparativo entre os períodos de janeiro a setembro do ano passado e os mesmos meses deste ano, a indústria sofreu uma queda de 5% no volume total, enquanto a marca francesa registrou um crescimento de 25% - vendeu 19.600 unidades ante 15.600 vendidas no ano passado.

Mesmo com a estabilidade do segmento, o SUV C4 Cactus registrou excelentes índices: incremento de 21% nas vendas e participação na categoria de 4,7% (+0,9pp), o que o coloca entre os quatro SUVs compactos com maior crescimento quando comparado ao período entre janeiro e setembro de 2021.

No segmento de vans, a Citroën Jumpy manteve um cenário de estabilidade, enquanto o mercado registrou uma queda de 17% no período. Foram emplacadas 2.300 unidades, incluindo nesse volume a versão elétrica ë-Jumpy.

O Novo Citroën C3 já está à venda em todo o Brasil, com diferentes opções de cores, motores, câmbio e acabamento, a partir de R$ 68.990. Ele também está entre os modelos mais acessíveis da categoria para fazer manutenção, reparar e proteger.

Com informações: Media Stellantis

Quer saber mais sobre como comprar carros com consórcio? É só mandar um e-mail para info@dtpdata.com

Consultoria, Representação e Negócios
Financiamento | Home Equity | Consórcio
E-mail: info@dtpdata.com
Fone: +55(11)4399-3797 | Móbile/Whatsapp: +55(11)94197-6228
Mídias sociais: @dtpdata

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porta-chaves (LockBox). Uma boa solução desenvolvida pelo QuintoAndar

Sandro Souza | 25/07/2021 | 20:56 Para ajudar a acelerar o processo de aluguel do seu imóvel, o QuintoAndar desenvolveu uma caixinha para suas chaves ficarem sempre disponíveis para corretores e visitantes. Legal né? Essa caixinha é ideal para imóveis em que as chaves não podem ficar na portaria e/ou para donos de imóveis que não querem/podem acompanhar as visitas. É importante frisar que essa facilidade não está disponível para casas (mesmo que localizadas em condomínios) e somente está disponível para algumas modalidades de imóveis, conforme abaixo: Apartamentos com portaria (não se aplica a portarias digitais ou eletrônicas); Apartamentos com ou sem mobília; Apartamentos em que não há ninguém morando. Para instalar é super simples: basta encaixá-la na porta, preferencialmente no canto superior, como mostra o vídeo acima. Após instalada é só deixar uma cópia da chave do imóvel no interior da caixinha, e trancá-la em seguida. Somente os parceiros credenciados têm a chave para acessá

Você sabe como receber o seu dinheiro do Google AdSense?

Sandro Souza | 24/07/2021 | 14:40 O número de profissões vinculadas ao ambiente on-line não para de crescer. Junto com essa onda, as oportunidades de monetizar a produção de conteúdo também são notáveis. Criadores de conteúdo digital, YouTubers, Bloggers, Influenciadores e donos de sites podem conseguir quantias consideráveis por meio do Google AdSense , um recurso do Google que monetiza páginas, sites ou blogs que permitem anúncios.  Na prática, os produtores de conteúdo podem liberar a veiculação de anúncios de outras marcas em suas páginas. Conforme os leitores clicam nos banners, um valor pago pelo Google AdSense. É como se os criadores de conteúdo digital estivessem alugando um espaço do seu site para que o Google insira os anúncios dele. Em troca, o Google AdSense repassa ao dono do site ou blogueiro afiliado um percentual do valor pago pelo anunciante. O serviço se tornou uma fonte de renda para muitas pessoas que produzem conteúdo na internet. Para se ter uma ideia de valores

Como receber heranças e doações do exterior

De tudo um pouco | 14/08/2021 | 18:24 Os processos de recebimento de heranças e doações vindas do exterior podem ser trabalhosos e, muitas vezes, demorados. Confira a seguir os principais pontos que devem ser observados para recebimento de heranças e doações do exterior. 1- Legislação e tributação Em março de 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) pacificou o conflito entre contribuintes e estados, determinando que o Distrito Federal e os estados não possuem competência legislativa para instituir a cobrança do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) nas hipóteses de doações e heranças instituídas no exterior e que a cobrança é condicionada à edição de lei complementar nacional. Na prática, a decisão gera uma economia aos herdeiros brasileiros, domiciliados no Brasil, que deixarão de pagar o ITCMD. Apesar da tributação sobre heranças no Brasil ser bastante reduzida frente a outros países -- nos EUA o imposto pode chegar a 45%, por exemplo -- essa decisão do STF pod